X
newsletter do Ateliê


O Ateliê divulga sua programação de eventos, projetos e cursos por meio de uma newsletter semanal. Cadastre-se aqui para recebê-la. Caso tenha mudado de e-mail, envie uma mensagem informando seu endereço antigo e o que deve ser cadastrado.
   Você está em: Home › Producao cultural › Galeria › Exposições › Em cartaz
Em cartaz
Arquivo

PRODUÇÃO CULTURAL
Em cartaz


SAL | Ricardo Hantzschel


Sobre o autor

Jornalista formado pela PUC-SP e pós graduado em Fotografia e Mídia pelo Senac-SP é fotógrafo profissional desde 1987. Foi professor do Centro Acadêmico Senac (CAS) de 2000 à 2015. Desde 2012 é professor na pós-graduação em fotografia do SENAC.

Em 2003 foi vencedor do Prêmio Porto Seguro de Fotografia, São Paulo 450 anos, e em 2015 ganhou o Prêmio Funarte Marc Ferrez de Fotografia com o ensaio Sal.

Figura no acervo do Museu de Arte Moderna de São Paulo desde 2001.

Nos últimos 18 anos tem exposto seu trabalho destacando-se os ensaios "Sal" (Instituto Tomie Ohtake 2015, X Bienal de Arte de Florença – 2015), “Cidade Múltipla” (Caixa Cultural Sé 2010, Festival Hercule Florence-PUC Campinas 2010, Instituto Carrefour 2011), “Vestígios do Carandiru” (Museu de Arte de Ribeirão Preto 2004, Centro Cultural São Paulo 2004, Galeria do Cj Nacional 2007, Sesc Santana 2012), “Cidade Casual” (Museu da Imagem e do Som 2000, Visual Studies Workshop Gallery/NY-EUA 2001, Espaço Porto Seguro 2001 e 2003, Sesc Pompéia 2004), “A Sombra do Porto” (Centro Cultural São Paulo 1999, Pinacoteca de Santos 2000, Centro de Exposições Imigrantes 2002), entre outros.

Desenvolve ação educativa aplicada em parceria com movimentos comunitários. Desenvolve o projeto educacional em linguagem visual “Cidade Invertida” há seis anos, com atuação em entidades da periferia, faculdades, museus e eventos fotográficos. O projeto foi premiado em 2006 pelo Programa de Ação Cultural do Governo do Estado, voltando a ser premiado em 2008 com a certificação de “Mérito Cultural” pela Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo e novamente reconhecido em 2010 através do Fundo Comgás de patrocínio Sócio Cultural.


Texto crítico

Esta é uma obra de ficção. Uma representação de um real possível, mediado pelo aparato, pela edição, pela emoção e pela imaginação. O mote é o sal, substância que faz parte significativa da história do homem. De caráter simbólico, em diversas culturas aparece em rituais de proteção e purificação. Em outras, representa a incorruptibilidade ou mesmo a amargura.

De grande valor, quando raro já foi moeda de troca e salário de soldados. Seu poder de conservar alimentos é o mesmo que corrói o ferro e resseca a pele do salineiro, marcada pelo Sol, pelo vento, pelo tempo. Personagem de um ofício que se mantém inalterado desde o século xix e que tende a desaparecer lenta e silenciosamente, calando o arrastar metálico das pás, o gemer dos carrinhos de mão, o puxar dos rodos, o pavonear dos cata-ventos. Um lugar em que a paixão e o desencanto se misturam, originando cristais brilhantes na água salgada.

O suporte eleito, composto de papel aquarela, sal e prata, carrega na superfície imagens de um mundo à parte. A aplicação manual do sensibilizante com pincel agregou o gesto, aumentando a presença do acaso no processo do papel salgado, cuja técnica, precursora da fotografia, incorpora organicamente à imagem o produto bruto extraído da salina.

Ricardo Hantzschel

 

Local: municípios de Arraial do Cabo, Praia Seca e Araruama – Rio de Janeiro

Período de capatação: de janeiro de 2011 à janeiro de 2015

Suportes: digital, analógico e câmeras artesanais

Impressão: papel salgado sobre Fabriano número 5, tonalizado à ouro

Papel salgado: inventado pelo cientista inglês Willian Henry Fox Talbot em 1834.

 

 
+info

DATA
de 29 de abril a 24 de junho

HORÁRIO
seg a sex 10h às 21h | sab 10h às 17h

SAL é uma documentação poética sobre o processo de extração manual de sal realizado na região dos lagos no Rio de Janeiro, mais especificamente nos municípios de Araruama e Arraial do Cabo. O trabalho, iniciado em 2011, busca ressaltar aspectos estéticos da extração salineira e seus personagens ainda ativos, objetivando conhecer e dar visibilidade a um modo de produção que se mantém inalterado desde o século XIX. Um ofício que, por questões econômicas, climáticas e sociais, tende a se extinguir silenciosamente na próxima década, com mudanças significativas na paisagem local.

Como parte do trabalho, foi realizada uma pesquisa de materiais com o propósito de utilizar o produto bruto extraído das salinas e adapta-lo à técnica do papel salgado, suporte sensível precursor da fotografia criado pelo inglês William Henry Fox Talbot em 1834, no qual as cópias da exposição foram impressas.

A exposição é composta por 19 fotografias impressas em papel salgado com tonalização (viragem) a ouro sobre papel Fabriano no tamanho 50x60 cm (com a moldura 60x70 cm).



CREDITOS
Ricardo Hantzschel
Ateliê da Imagem
Espaço Cultural

Av. Pasteur, 453 - Urca
Cep 22290-255 - RJ
como chegar


info@ateliedaimagem.com.br
home
quem somos
escola
produção cultural
estúdio
contato
cursos
sexta livre
galeria
biblioteca virtual
imprensa
parceria
inclusão visual

newsletter | faq | blog | links

PUBLICIDADE
RS Comunicação FotoLab